Futebol e a Administração

Se você pensou em Manager, CEO, Marketing Esportivo, Vendas de ingressos e camisas, Promoções, Gestores etc., você não está errado, mas também não está certo. Este texto, o qual me propus escrever, tratará de associar as funções do administrador ao futebol em si, que envolve jogadores, comissão técnica e torcida.

Parando para pensar, percebemos que há dezenas de pontos em comum, mas resolvi listar, abaixo, somente alguns.

1º Preparação:

Para tornar-se um jogador profissional de futebol, é necessário anos de preparo físico e técnico, não basta ter vontade e habilidade. Existem diversos atletas que não tem habilidade para a função, mas exercem-a com maestria, pois se prepararam. No entanto, há vários casos de jogadores que têm habilidade, mas não vingam no esporte, não dão certo, pois não se prepararam anteriormente. E na função de administrador não é diferente, não basta ter vocação, vontade e prática. É necessário se preparar, com livros, faculdade, cursos, pesquisas etc.

2º Treinamento:

Mesmo após chegarem preparados para começar a temporada, os jogadores não se reúnem somente para as partidas e períodos de recuperação/regeneração física, é preciso treinar as situações que poderão, ou não, ocorrer nos jogos, para não ser pego de surpresa, de momentos que não saibam o que se deve fazer. Da mesma forma, ocorre com o administrador, não basta ter o conhecimento teórico, é essencial pôr em prática; treinar as situações que poderão ocorrer futuramente, antes que elas realmente ocorram, ou com níveis menores de exigências e responsabilidades; exemplo: um estagiário.

3º Seleção:

Quando um time necessita contratar algum jogador, ele não escolhe um ao acaso, é feito um estudo prévio, para saber quais qualidades/características que se está procurando; então, olham o mercado; avaliam as opções e fazem as investidas por determinado atleta. Da mesma forma ocorre nas empresas, não se contrata alguém sem conhecer suas qualidades e defeitos e as necessidades da empresa. Quando isso não ocorre, assim como no futebol, as probabilidades de dar errado são enormes.

4º Camisa 10:

Existe, principalmente no Brasil, toda uma mística em cima da “camisa Dez”; quem a utiliza, geralmente, é o jogador mais cobrado do time, é quem tem as maiores responsabilidades. Pois é o responsável por ser o “cérebro” do time; é quem cria as jogadas; cadencia o jogo; leva a bola ,da defesa, para o atacante finalizar. Enfim, dita o ritmo da partida. Assim também funciona com o administrador, que é o responsável por criar as “jogadas” da empresa; controlar os negócios e funcionários; ditar o ritmo dos trabalhos; e fazer o “meio-campo” entre fornecedores, operários e clientes.

5º Goleiros:

A tarefa do goleiro é não deixar as bolas passarem; muitas vezes, mesmo quando o chute vai para fora, o arqueiro se esforça para defender, para que possa iniciar rapidamente uma jogada favorável para o seu time. Do mesmo jeito é o administrador, que tem que agarrar todas as chances, por mais difíceis ou distantes que sejam e transformá-las em algo benéfico e alcançável.

6º Capitão:

A função de quem recebe a braçadeira de capitão é controlar a equipe; falar pelo time e para o time (incentivar os demais); dar exemplo; cobrar quando for preciso; enfim, ser o líder da equipe. E todas essas atribuições podem, e devem ser feitas ao administrador líder de uma equipe.

7º Técnico/Treinador:

O treinador é responsável por estudar os adversários, sua própria equipe e qualquer outro time que seja modelo para os demais. Ele é quem deve criar/definir as estratégias de sua equipe, estar preparado para imprevistos, saber escolher os componentes do time, incentivá-los quando estiverem para baixo e dar um rumo quando estiverem “perdidos”. Tudo isso, é o que deve fazer também um diretor de uma empresa, traçar os rumos que devem ser tomados e gerir para que sejam alcançados.

8º Estratégia:

Todos os times do futebol mundial devem ter uma, ou mais estratégias para enfrentar os adversários. Quando isso não acontece, e ficam no “bumba meu boi”, que é ir para cima do jeito que der, sem qualquer tipo de tática, dificilmente dá certo; mesmo quando dá certo, recebe críticas da mídia, merecidamente. Do mesmo jeito funciona com as administrações, é essencial traçar estratégias para se chegar aos objetivos, vencer a concorrência, passar pelos obstáculos que surgirem, prosperar economicamente e não ser somente eficaz, mas também eficiente.

9º Tomada de Decisão:

Não basta para um jogador, ter muita habilidade e treinar todos os dias, se não melhorar a tomada de decisão, que envolve também o psicológico, pois há uma pressão no momento de decidir o que se deve fazer; exemplo: está na entrada da grande área, o goleiro está mal posicionado e um companheiro pede a bola; o que fazer? Chutar ou tocar a bola? E na administração ocorre algo parecido, exemplo: uma empresa está com, verba extra, deve investir em um mercado que está crescendo, mas é muito instável, ou em um que é estável, mas não cresce no mesmo ritmo? Enfim, em ambos os casos é necessário estar preparado, com conhecimentos e mentalmente; saber prever os riscos; e não demorar muito para decidir, pois a oportunidade pode passar/acabar.

10º Objetivo, Meta e Missão:

Nos dois ramos, administrativo e futebolístico, tem, obrigatoriamente, três pontos bem definidos, são eles: Objetivo, um ponto concreto que se quer atingir; Meta, uma segmentação do objetivo e tem um prazo de conclusão mais próximo; e Missão, a razão de existência da empresa. Esses pontos norteiam todas as ações praticadas. Veja alguns exemplos:

FUTEBOL ADMINISTRAÇÃO
OBJETIVO Ganhar as partidas. Aumentar o faturamento da organização em 30% em relação ao ano de 2015.
META Fazer o gol. Incrementar a arrecadação de associados de aparelhos móveis em 26% em relação ao ano de 2015.
MISSÃO Ganhar títulos e formar grandes jogadores. Oferecer produtos, serviços e soluções de alta tecnologia.

11º Motivação:

Para um jogador de futebol ter sucesso é essencial estar motivado, assim como na administração. No entanto, cada pessoa tem um tipo diferente de motivação, exemplos: o salário (alguns não rendem bem quando não recebem em dia); a fama; o reconhecimento (algumas pessoas caem de rendimento quando não tem seu trabalho reconhecido); pressão (existem indivíduos que melhoram de rendimento quando trabalham sob pressão); felicidade (alguns só vão bem se estiverem felizes); ultrapassar metas etc.

12º Competitividade:

Um dos pontos principais do mundo futebolístico (profissional ou não) e do administrador, e de essencial importância, é a competitividade. Pois ela faz com que as equipes busquem progredir, se esforcem mais e haja uma melhor preparação; exemplos: contratar um atacante melhor, quando o rival faz o mesmo; jogar mesmo quando está exausto, por causa do nível do adversário; inovar em um produto, pois a concorrente baixou o preço etc. Além disso, é fundamental a concorrência interna, mas sem exagero, pois os componentes das equipes esforçam-se mais e se preparam melhor quando há uma “sombra”, alguém lutando pela vaga, pelo posto.

13º Imagem:

Como em quase todos os ramos, a imagem individual e coletiva são muito importantes. Por isso, várias pessoas e equipes têm staffing, para cuidar de suas imagens. Já que qualquer coisa (declaração, foto etc.) mal interpretada, desrespeitosa, polêmica etc. pode gerar danos ao profissional e ao/à clube/organização. Exemplo: um jogador é fotografado bebendo antes de um clássico que perdeu; funcionário fala mal de cliente via Twitter da empresa etc. E isso tudo pode evitar o recebimento de uma boa proposta futura, diminuir o número de clientes, entre outros fatores.

14º Consequências das Decisões:

Tanto na Administração, quanto no futebol, qualquer erro indivíduo impactará no coletivo, futuramente. Por isso, é necessário seguir vários processos de preparação. Nenhuma decisão, por menor que seja, deixará de influenciar um resultado final, de um jogo, campeonato, negócio, contratação etc. Exemplo: um escanteio mal marcado que origina um gol; um passe errado que possibilita um ataque do adversário, que é parado com uma falta forte, e o jogador que fez a falta é expulso; uma empresa baixa os preços de um de seus produtos em um centavo (de R$ 100 para R$ 99,99) e por conta disso, aumenta as vendas em 15%. Alguns efeitos ruins podem ser consertados a tempo, já outros, são irreversíveis.

15º Avaliação da Equipe:

Constantemente os jogadores de uma equipe são avaliados pelo seu desempenho e custo benefício; no mundo administrativo ocorre o mesmo. E sempre que um membro não está rendendo o esperado é substituído por outro, e caso não volte a render o esperado, pode ser até retirado definitivamente. Além disso, programas de televisão/rádio, jornais, sites etc. avaliam jogadores/clubes, administradores/empresas, praticamente, todos os dias, e isso impacta nas decisões dos diretores e líderes/treinadores.

Fonte: administradores.com.br

Posts Relacionados

Leave a Comment