Perfis de comportamento conheça as principais características de cada um deles

Este é um conhecimento ao qual todo ser humano deveria ter acesso. Não por acaso, trata-se de algo estudado pela humanidade há milênios. O simples fato de saber da existência dos diferentes perfis de comportamento e conhecer algumas de suas características, aumenta substancialmente a nossa capacidade de nos relacionarmos de uma maneira melhor com os outros. Além disso, percebemos que podemos ser quem realmente somos e não precisamos “imitar” o comportamento de ninguém. Ao longo da leitura deste texto procure identificar, não só o seu perfil predominante, ou seja, aquele no qual você mais se vê, mas também o perfil predominante de cada uma das pessoas com quem você mais convive: sua esposa, marido, namorada, namorado, filho, líder, liderado, pai, mãe, etc. Tenho certeza que, ao final deste artigo, você levará uma nova visão para cada uma de suas relações.

O estudo do comportamento humano vem desde a antiguidade. Os primeiros a realizarem este tipo de estudo foram os gregos. Eles relacionavam o comportamento das pessoas aos quatro elementos básicos da natureza: fogo, água, terra e ar. Anos mais tarde, Hipócrates, tido como o pai da medicina Ocidental, aplicou este conceito dos quatro elementos ao que se sabia a respeito da fisiologia humana até então. Assim, nasceram os conceitos de Colérico, Sanguíneo, Fleumático e Melancólico como tendências de comportamento humano. Esta premissa foi desenvolvida por décadas e, já na idade moderna, Carl Jung, médico e psiquiatra suíço, desenvolveu um estudo sobre os traços de personalidade onde classificou os indivíduos em Produtor, Sensitivo, Intuitivo e Analítico.

Mas foi por volta dos anos 1930 que o Dr. William Marston desenvolveu um extenso trabalho de pesquisa a respeito do comportamento das pessoas que incluiu instrumentos estatísticos e conhecimentos de biofísica. Marston é o pai da metodologia D.I.S.C. que divide os indivíduos segundo quatro fatores: Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade. A maioria das ferramentas de análise de perfil comportamental existentes hoje no mercado se baseia no trabalho de Marston.

Neste artigo, eu sigo a nomenclatura dos perfis de comportamento conforme a ferramenta de análise que utilizo (IGT – Assessment), mas a lógica e as características de cada um dos perfis podem ser aplicadas a qualquer ferramenta que se baseie na metodologia D.I.S.C. Vamos às características principais de cada um dos perfis.

Comunicadores

A palavra-chave deste perfil é conexão. Eles são extremamente ligados a pessoas. São extrovertidos, ativos, gostam de conversar. São motivados por novidades, adoram novos projetos, novas ideias e mudanças. Por este motivo, podem apresentar dificuldade de foco e concentração. Preferem trabalhar em equipe e com trabalhos que envolvam movimentação e autonomia. Adoram uma festa ou qualquer tipo de ambiente ou atividade que promova a interação entre as pessoas. Por outro lado, têm tendência a serem desorganizados e esquecerem de compromissos e obrigações. Costumam se atrasar com frequência, pois querem participar de tudo o tempo todo. São extremamente carismáticos, otimistas e influenciadores. Gostam de ter a atenção das pessoas e geralmente são muito queridos pelos demais.

Executores

Para este perfil a palavra-chave é resultado. O importante para eles é realizar. São extremamente focados em cumprir tarefas. Para eles “missão dada é missão cumprida”! Eles não medem esforços para fazer o que precisa ser feito. São ativos, competitivos e muito dinâmicos. São movidos por desafios. Geralmente, têm dificuldade de lidar com processos ou pessoas que consideram lentos. Eles têm uma capacidade de enxergar além do que os outros perfis conseguem, por isso, muitas vezes têm uma tendência a serem impacientes com as outras pessoas e este é um ponto de melhoria. Porém, quando aprendem a dividir sua visão, tornam-se líderes incríveis e extremamente motivadores. São independentes, autoconfiantes e sabem se impor. Entretanto, podem se tornar um tanto inflexíveis ao defender seu ponto de vista. Não se intimidam com facilidade, tomam decisões rápidas e assertivas e sentem-se confortáveis em situações de conflito.

Planejadores

Pessoas com este perfil buscam estabilidade. Eles gostam de processos bem estruturados, de rotina, de planejamento. São pessoas calmas, tranquilas, que costumam ter um tom de voz mais baixo e muito autocontrole. Costumam fazer as tarefas em um ritmo constante e cadenciado. Um ponto de melhora deste perfil é a dificuldade, muitas vezes presente, de entrar em ação: eles podem passar muito tempo buscando a melhor estratégia e, assim, demorar muito para executar. Não gostam de pressão e evitam qualquer tipo de conflito. Esta última característica pode fazer com que eles tenham uma tendência a deixar situações sem solução por muito tempo. Assim como os comunicadores, são focados em pessoas, porém preferem relações mais profundas com pessoas selecionadas. São flexíveis, observadores e extremamente confiáveis.

Analíticos

Este perfil preza pela qualidade em tudo o que faz. São criteriosos, detalhistas e discretos. Assim como os executores, são focados em realizar tarefas, porém sempre com extrema precisão e excelência. Por outro lado, assim como os planejadores, são pessoas calmas, que respeitam os processos e as regras, por isso mesmo, podem apresentar grande dificuldade de flexibilização. São excelentes em análise de riscos. Porém, tal característica, se não for adequadamente dosada, pode leva-los a um comportamento pessimista pois tendem a acreditar que tudo sempre vai dar errado. São pessoas mais sensíveis, por isso, costumam ter habilidades nos campos artísticos. Têm uma tendência a se autocriticarem duramente e se cobrarem demais. São muito focados, extremamente comprometidos e leais. Apresentam soluções bem estruturadas, após um período de análise.

Talvez, agora você esteja se perguntando: mas, de todos os perfis, qual é o melhor? Nenhum! Na verdade, todos nós temos um pouco de cada um dos perfis. O que ocorre é que, geralmente, temos um ou dois que predominam. É importante que você perceba que todos os perfis têm pontos fortes e pontos de melhoria. O melhor é você conhecer seu perfil e, ao menos, estimar o perfil das pessoas com quem você mais convive. O ruim é você tentar forçar um comportamento que não é o seu por natureza. É claro que você pode (e deve) desenvolver características boas, ou seja, pontos fortes, de todos os perfis. A flexibilização de perfil, de acordo com o que o meio exige, é real, frequente e pode ser trabalhada. Porém, se você souber qual a sua maneira natural de se comportar, estará mais pronto para enfrentar as dificuldades naturais de uma flexibilização e, também, será capaz de utilizar mais adequadamente aquelas forças que você já possui em você.

Gostou do texto? Compartilhe este conhecimento com alguém para que mais pessoas possam se beneficiar dele.

Fonte: administradores.com.br

Posts Relacionados

Leave a Comment