Shein aumenta os preços de seus produtos para elevar receita antes de IPO

Shein aumenta preços - Casal alegre fazendo compras online em casa

A varejista de fast fashion Shein, conhecida por suas blusas de US$ 5 e vestidos de US$ 10 fabricados na China, aumentou os preços em mais de um terço em alguns produtos principais, em um movimento que provavelmente elevará as receitas antes de sua planejada abertura de capital na Bolsa (IPO), de acordo com análise de sua estratégia de preços.

Os aumentos médios de preços da Shein superaram os de suas rivais H&M e Zara, segundo dados da empresa de pesquisa EDITED, sediada em Londres, que comparou os preços em 1º de junho com os de um ano antes.

Conheça o Método Warren Buffet de avaliar empresas e saiba como interpretar os indicadores para fazer as melhores escolhas

A Shein não quis comentar.

A empresa opera um marketplace online que vende uma série de mercadorias, embora seu principal negócio seja fabricar e vender as marcas próprias da Shein, principalmente roupas femininas.

Shein recorre a uma rede de fornecedores em grande parte baseados na China, que contrariam os processos de produção tradicionais, aceitando pequenos pedidos iniciais e aumentando a escala com base na demanda. A maior parte das roupas que a Shein vende é fabricada em Guangzhou, na China, por seus cerca de 5.400 fornecedores.

Embora a Shein não divulgue dados financeiros publicamente, a Coresight Research estima que a receita da Shein chegará a US$ 50 bilhões este ano, um salto de 55% em relação ao ano passado.

Tornar suas principais linhas de roupas femininas mais caras e conseguir que mais marcas externas vendam em seu site pode ajudar a Shein a atingir esse número de vendas e aumentar os lucros.

“A Shein teve um impulso muito forte recentemente, o que pode ser favorável aos seus planos de IPO”, disse Erik Lautier, especialista em comércio eletrônico da consultoria AlixPartners.

Enquanto se prepara para sua oferta pública inicial (IPO), a Shein enfrenta os custos mais altos de ser uma empresa de capital aberto. Ela também precisa cumprir as novas regulamentações da União Europeia sobre plataformas online que podem aumentar suas despesas, pressionando as margens de lucro.

Nos Estados Unidos, o maior mercado da Shein em termos de vendas, a empresa aumentou o preço médio dos vestidos femininos em 28% no ano até 1º de junho, para US$ 28,51, mostraram os dados da EDITED.

Embora ainda bem abaixo da média de um vestido da H&M (US$ 40,97) ou da Zara (US$ 79,69) nos EUA, a Shein aumentou os preços em uma porcentagem maior do que seus rivais no mesmo período, de acordo com os dados.

No site da Shein no Reino Unido, um vestido custava 24,12 libras (US$ 30,97) em média, 15% a mais do que há um ano, enquanto a média de vestido na França, Alemanha, Itália e Espanha era 36% mais cara.

Fonte: IR sem erro

Posts Relacionados

Deixe um comentário