solidariedade pode ajudar o varejo e o mundo


Sabemos que a crise causada pelo coronavírus trouxe resultados e prejuízos que ainda não somos capazes de mensurar. Ainda não conseguimos antever tudo o que o futuro traz depois dos desempregos gerados, da baixa nas vendas, seja do varejo seja de outras áreas, e de todos os índices negativos trazidos por esta situação inesperada.

Pensando em todos estes efeitos, nós, do QuantoSobra, temos trazido vários artigos ajudando o pequeno empresário a encontrar alternativas para manter suas vendas, mesmo com as portas fechadas.

Estas alternativas visam ensinar os varejistas a levarem para a internet as vendas que antes faziam em seus estabelecimentos. Assim, a gente falou sobre o crescimento que as vendas pela internet vêm tendo desde o início da pandemia e sobre como você pode usar as ferramentas que já estão disponíveis online para manter o seu negócio funcionando.

Você pode encontrar estes artigos:  

Aqui: Como vender pelo Instagram;

Aqui: Como enviar seus produtos pelos Correios;

Aqui: Como vender mais durante a Pandemia de Coronavírus;

E aqui: Coronavírus: o que muda para o empregado e empregador com a MP 927/2020.

Se você ainda não leu estes artigos, eu recomendo que você leia este artigo aqui, onde eu falei sobre a importância de o varejista migrar para plataformas E-commerce durante e depois da pandemia.

Além disso, se você ainda não usa o WhatsApp Business para vender e atender e quer aprender como fazer isso e como criar um catálogo com os seus produtos dentro do aplicativo, a gente ensinou estes passo a passos, aqui:

Você também precisa saber que, como se tivesse percebido a demanda que este novo mercado tem trazido para o Brasil, o WhatsApp agora permite que o empresário envie e receba pagamentos através da plataforma. A gente ensinou a fazer isso, aqui:

Este artigo que você está lendo é a continuação desta lista de textos, criados pela gente para ajudar os empresários a enfrentar esta crise trazida pelo Coronavírus. 

Vamos ao que interessa:

Solidariedade: como ela pode ajudar o comércio varejista e o mundo

Estamos todos juntos nesta situação: presos dentro de casa, saindo para comprar somente os mantimentos básicos e fazendo o possível para circular o menor número de vezes possível pelas ruas. Apesar de o Governo Federal e os governos de alguns estados terem permitido a abertura de portas de determinados negócios, o bom senso nos leva a passar o maior tempo possível dentro de nossas casa.

Isso porque, como todos sabem, o coronavírus tem um alto grau de transmissibilidade e ainda não sabemos a extensão de seu alcance quando convivemos com mais pessoas ou transitamos pelas ruas.

Além de bom senso, deixar de circular pelos grandes centros ou entre muitas pessoas é, também, um ato de caridade. Isso porque, muitas pessoas podem ter contraído o coronavírus sem apresentar nenhum sintoma. Você mesmo pode ser um caso desses. Por isso, evitar sair de casa também é pensar no outro, é ter empatia. 

Não sabemos se estamos transmitindo ou não. Não sabemos se contraímos o vírus ou não.

Este tipo de caridade é apenas um passo, perto dos outros tipos de solidariedade que uma pandemia do tipo nos faz aprender. 

Antes de falar sobre isso, vamos entender um pouco mais sobre o que é a solidariedade:

A Wikipédia traz um bom conceito do que é a solidariedade:

Solidariedade é um ato de bondade e compreensão com o próximo ou um sentimento, uma união de simpatias, interesses ou propósitos entre os membros de um grupo:

Cooperação mútua entre duas ou mais pessoas;

Identidade entre seres;

Interdependência de sentimentos, de ideias, de doutrinas.

Na sociologia, existe o conceito de solidariedade social, que subentende a ideia de que os seus praticantes se sintam integrantes de uma mesma comunidade e, portanto, sintam-se interdependentes.

Interessante, não é? 

Quando eu falo de solidariedade é exatamente deste conceito que estou falando. Aquele que, além de ser um ato de bondade é um compromisso social. Ou melhor, são atos de bondade originados pelo compromisso social.

Ficou complicado? Eu vou explicar um pouco mais.

Como dito na definição acima, a solidariedade pode ser originada pelo senso de união, pelo senso de interdependência. Aquela sensação de que as minhas atitudes refletem e trazem resultados, também, para o mundo do outro.

Essa sensação, de que o nossos mundos e atitudes estão interligadas gera aquilo que eu chamei ali em cima de compromisso social.

Você quer um bom exemplo de compromisso social?

A vacinação de nossas crianças.

Todos sabemos que em determinada idades, nossas crianças devem tomar vacinas que imunizem elas para uma série de doenças. 

Muitas vezes a gente nem conhece a doença para qual a nossa criança está sendo vacinada.

Sabe porque, muitas vezes não conhecemos esta doença?

Porque esta vacinação imunizou gerações de crianças suficientes para que estas doenças sejam erradicadas, dizimadas. Por isso, ainda bem, nem chegamos a conhecer os sintomas de cada uma delas.

Este sistema de vacinação é um compromisso social. Um compromisso que temos uns com os outros, entre todos os que pertencem a nossa comunidade, de erradicar estas doenças.

Ficou simples, não é? 

Um compromisso social é um acordo, mesmo que subconsciente, mesmo que nunca assinado, de que tomaremos as atitudes certas para proteger o todo. 

No compromisso social não há lugar para o egoísmo. É o todo que é importante.

Agora, vamos entender como esta solidariedade se aplica aos tempos que estamos vivendo:

Compromisso social do distanciamento e do isolamento

Sobre este compromisso a gente já falou ali em cima. Muitas vezes as pessoas que contraíram o coronavírus estão assintomáticas. Ou seja: não apresentam os sintomas que caracterizam a Covid-19. 

Nem por isso, estas pessoas não transmitem o vírus para outras pessoas. Pelo contrário, às vezes, por não terem sintoma nenhum da doença a pessoa se sente mais livre para circular e acaba infectando mais gente pelo seu caminho.

Não seria melhor que esta pessoa só saísse de casa em emergências? Não seria melhor que ela só saísse de casa para compras urgentes ou para trabalhar, como é o caso de muitos?

Este é um dos motivos dos insistentes pedidos dos cientistas para que todos que podem, fiquem em casa. É para evitar a contaminação involuntária. Ficar em casa, quando a pessoa puder, é solidariedade. É pensar no próprio bem mas, também, no bem da sociedade como um todo.

Outro motivo que gera pedidos tão desesperados para que todos fiquemos em casa é o achatamento da curva da doença. Se existem muitas pessoas infectadas com o vírus apresentando os sintomas graves da Covid, nossas UTIs ficam lotadas e sem capacidade para atender a todos.

No entanto, preste atenção: não estamos aqui, dizendo que as pessoas devam deixar de se preocupar com os seus empregos ou com os seus negócios em função do isolamento. Quem deve ir trabalhar por não ter a oportunidade de trabalhar de casa, deve ir trabalhar, quem precisa com urgência abrir o seu negócio, deve abrir se o Governo permitiu.

O que estamos falando é que, quem pode ficar em casa, deve ficar em casa. Quem pode evitar de circular, deve evitar, também por questões de solidariedade. Pensando em si e no todo. Isso nos leva ao próximo item:

Compromisso social com a economia do país e do mundo

Todos sabemos que a pandemia trouxe e vai trazer ainda mais recessão. Muitas pessoas perderam seus empregos, muitos empresários perderam muitas vendas e se viram obrigados e dispensar colaboradores valiosos. 

A nossa solidariedade deve se estender à economia, também. Afinal, a economia também é do coletivo. Todos dependemos da economia e da saúde dela.

Não existem empregos sem empresas, não existem empresas sem vendas, não existem vendas sem trabalhadores com dinheiro para comprar. É um sistema um um depende do outro.

Por isso, devemos pensar colaborativamente, também.

A nossa economia deve sobreviver. E pensar com bom senso, no momento é, fazer o possível para manter os negócios funcionando.

Aqueles que podem vender online, devem vender online, nem que seja somente para garantir a sua sobrevivência nesse período que deve acabar em algum momento.

Aqueles que já podem abrir as portas, devem fazer isso com bom senso, usando todas as estratégias possíveis para proteger seus clientes e seus colaboradores.

Isto também é solidariedade. Isso também é pacto social pelo bem do todo. Precisamos de saúde, precisamos de empregos, precisamos da economia. Uma coisa depende da outra.

Usando o bom senso, é possível que a solidariedade salve as pessoas e, também, a economia.

Uma atitude solidária, por exemplo, é o consumidor, quando sair de casa para comprar seus mantimentos, optar por comprar de uma empresa pequena, do seu bairro. Esta decisão pode ser um fator que vai garantir a sobrevivência daquele negócio que, como sabemos, tem menos dinheiro para se manter em um momento assim. Os pequenos empresários são os elos mais fracos da corrente do empresariado nesse sentido. Afinal, são eles que correm mais riscos de fechar as portas.

O nosso bom senso deve prevalecer nesses casos também. 

Focar nossos esforços na sobrevivência dos pequenos negócios, focar nossos esforços nos bons resultados do isolamento social e, focar nossos esforços para que tudo isso passe o mais rápido possível é a solidariedade que precisamos agora.

A solidariedade que nos faz dar as mãos, pensando na população, na economia e no bem estar de todos que compõem a nossa nação.

Blog Quanto Sobra


Posts Relacionados