Como funciona a restituição do imposto de renda?

A restituição do imposto de renda é uma devolução praticada pelo governo federal. Ela tem como objetivo principal recuperar, para os contribuintes, qualquer diferença percebida no total de impostos pagos.

Claro que isso funciona em duas vias. Por exemplo: se a diferença entre o valor de imposto a ser pago (com exceção das deduções) e o valor já quitado ou retido na fonte for positiva, o cidadão deve arcar com essa diferença — pagar mais, portanto. Caso seja negativa, ocorre a restituição do imposto de renda.

Não é por menos, que o assunto levanta muitas dúvidas e faz com que as pessoas recorram, constantemente, aos artigos on-line para entender se têm ou não direito ao benefício. Especialmente, quando corre o calendário de restituições programado pelo Imposto de Renda. 

Vamos entender, definitivamente, como funciona a restituição do imposto de renda? Basta seguir com esta leitura, conosco!

Como saber se você tem direito à restituição do imposto de renda?

Antes de qualquer coisa, é importante aprender a verificar se você se enquadra nos moldes para obter a restituição do imposto de renda.

Isso porque, nem todos os contribuintes que declaram o imposto de renda têm direito à restituição. Como adiantamos, esse benefício é uma espécie de retorno de um saldo. Por isso, é importante saber se você se enquadra nessas exigências, que são:

  • se você pagou um valor de imposto maior do que o devido;
  • contribuintes com um elevado número de despesas médicas;
  • outros tipos de tributos inseridos na declaração do Imposto de Renda.

É claro que isso não se enquadra, obrigatoriamente, no grupo de pessoas que têm direito à restituição do imposto de renda. Mas aumenta as chances.

Como consultar o valor da restituição?

Todo o processo é bastante simples e rápido de realizar. Isso tudo acontece diretamente no próprio site da Receita Federal, que disponibiliza uma página especialmente elaborada para esse serviço de consulta.

Lá, você consegue pesquisar o valor da restituição do imposto de renda e, também, tem acesso a uma série de outras questões importantes, como o cadastro do número de telefone celular para receber mensagens (via SMS) caso a sua restituição seja liberada.

Outras informações importantes para o contribuinte que são encontradas no site:

  • dados sobre todas as restituições anteriores realizadas;
  • valor corrigido pela Selic;
  • dados bancários para a restituição do imposto de renda ser realizada. Aqui, o requerente deve informar o banco, a agência e o número da conta (corrente ou de poupança de sua titularidade) para a efetuação do crédito).

Assim que o valor é creditado, nada mais tem que ser feito — ao menos, até o ano seguinte, quando o contribuinte deverá informar mais uma vez os seus rendimentos ao Imposto de Renda.

Importante observar, contudo, que qualquer dúvida complementar a esse assunto pode ser devidamente sanada a partir do acesso à página de orientações gerais, no próprio site da Receita Federal.

Quais são os períodos para a restituição?

Estando tudo em ordem com a declaração realizada, a sua restituição do imposto de renda vai ser efetuada em diferentes lotes, que são organizados pela Receita Federal. 

O período para isso ocorre, tradicionalmente, entre os meses de junho a dezembro, em um total de sete lotes dos quais é possível saber, antecipadamente, em qual deles o seu CPF se encontra. Os meios para isso são:

  • site da Receita Federal, como acima informado;
  • Receitafone, cujo número é 146 — será necessário informar o número do CPF, ao longo da ligação;
  • por meio do aplicativo da Receita Federal, diretamente no seu celular;
  • via SMS, também citado anteriormente.

É comum que, após liberada a restituição do imposto de renda, o brasileiro corra para quitar as suas dívidas ou realize pequenos caprichos financeiros. A questão é: o que mais você pode fazer com essa renda extra?

O que fazer com o dinheiro extra na conta bancária?

Embora seja uma grata surpresa, é recomendado que você não use, imediatamente, todos os recursos disponíveis da sua restituição do imposto de renda.

E sabe por quê? Trata-se de uma fonte de renda que pode servir para a elaboração e realização de objetivos maiores, com o tempo. Por exemplo: sair da poupança e investir em modalidades mais rentáveis.

Em geral, as pessoas gastam esse dinheiro porque não têm um planejamento financeiro consciente e, tampouco, objetivos para poupar e valorizar essa renda extra. Que tal seguir na contramão disso?

Abaixo, destacamos algumas ideias interessantes para você direcionar a sua restituição do imposto de renda:

  • quitação de dívidas maiores ou com juros mais agressivos. Assim, você consegue planejar-se financeiramente para liquidar as dívidas menores sem comprometer o seu orçamento mensal;
  • economizar, parte ou a totalidade, da sua restituição do imposto de renda. Assim, você consegue obter rendimentos vantajosos, mês a mês, para adquirir um bem mais interessante ou mesmo poupar para o futuro;
  • investimentos também são boa pedida. Avalie qual é a melhor modalidade para você direcionar os seus recursos e, assim, juntar dinheiro rápido para realizar os seus desejos mais ambiciosos.

Com isso, acredite: você pode gerar mais bem-estar e evitar que o estresse financeiro aposse-se de sua rotina!

Que tal, agora, agregar mais conscientização às pessoas que você mais se relaciona? Para isso, compartilhe este post nas suas redes sociais e marque os amigos que ainda não sabem o que fazer com a restituição do imposto de renda!

Fonte:Xerpa

Posts Relacionados

Leave a Comment