Simples Nacional: saiba como calcular o fator R

Imagem de calculadora sobre uma mesa

Quem é empreendedor certamente já está familiarizado com o Simples Nacional, mas e com o fator R? Essa tributação pouco comentada é a responsável por causar inúmeras dúvidas, principalmente na hora de calculá-la.

O fator R é um benefício para algumas empresas, podendo diminuir a carga tributária dos negócios. Mas, para fazer uso dele, é fundamental seguir alguns critérios impostos pela Receita Federal.

Você deve estar se perguntando como aderir a esse benefício, correto? Continue a leitura e entenda melhor sobre o assunto e, principalmente, como calcular o fator R. Vamos lá!

O que é o fator R?

O fator R pode ser definido como um cálculo que determina se uma atividade exercida pela empresa terá como base de tributos as alíquotas do Anexo III ou do Anexo V do Simples Nacional.

Esses anexos são os grupos dos negócios separados por cada área de atuação, por exemplo, indústrias, manutenção e comércio. Eles influenciam de forma direta na tributação que a sua empresa vai ter.

O fator R é muito usado na hora de controlar o financeiro, buscando opções capazes de melhorar os custos e encaixar as empresas no Simples Nacional. Isso quer dizer que quanto maior o valor gasto nos pagamentos, menor será a tributação.

Mas, para que esse pagamento seja menor, o resultado do cálculo do fator R deve ser maior que 0,28, ou seja, 28%.

Como saber o anexo que a empresa se encaixa?

A classificação dos anexos é fornecida exclusivamente pela Receita Federal, por meio do seu site. Essa classificação é regulamentada pela Lei Complementar nº 123/06, artigo 18.

O Simples Nacional se divide em cinco anexos, sendo eles:

  • Anexo I: comércios;
  • Anexo II: indústrias;
  • Anexo III: prestadores de serviço (instalação, agências de viagem, escritórios de contabilidade etc.);
  • Anexo IV: prestadores de serviço (limpeza, vigilâncias, construção de imóveis, serviços advocatícios e obras);
  • Anexo V: prestadores de serviço (jornalismo, auditoria, tecnologia, publicidade, engenharia, entre outros).

Aprenda a calcular o fator R

Para que o cálculo do fator R dê certo, é preciso apurar todo o faturamento bruto que a empresa teve nos últimos 12 meses e o total de despesas da folha de pagamento no mesmo período, o que inclui encargos, pró-labore e salários.

O cálculo não é tão complexo; você pode, por exemplo, utilizar calculadoras de fator R online. Porém o mais indicado é ter o auxílio de um profissional contábil, para evitar qualquer divergência.

A fórmula fica da seguinte maneira:

Fator R = folha de pagamento / receita bruta

Imagine a seguinte situação: uma empresa teve um gasto de R$ 10 mil por mês ao longo dos últimos 12 meses, somando um total de R$120 mil. Com relação à receita bruta, o faturamento da empresa foi de R$ 500 mil. O cálculo do fator R deve ser:

Fator R = 120.000 / 500.000 

Fator R = 0,24, que deve ser transformado em porcentagem

Fator R = 24%

Tendo essa fórmula, é hora de realizar a interpretação dos resultados. Mas considere que:

    • se a folha de pagamento for maior que zero, e a receita bruta igual a zero, o fator R será, automaticamente, definido por 28%;
    • se a folha de pagamento for igual a zero, e a receita bruta for maior que zero, o fator R deve ser considerado, automaticamente, em 1%.

Não erre no cálculo do fator R

Como pudemos ver, o cálculo do fator R é simples, não é mesmo? Porém, ainda assim é fundamental que tenhamos alguns cuidados, evitando problemas prejudiciais para a contabilidade da empresa.

Se você não quer errar na hora do cálculo, essas dicas vão ajudar:

  • faça um acompanhamento da receita da empresa todos os meses;
  • realize levantamentos rigorosos e frequentes de todos os valores gastos na folha de pagamento;
  • tenha sempre a ajuda de um profissional de contabilidade para sanar suas dúvidas;
  • entenda que os valores do cálculo do fator R podem sofrer variações ao longo dos meses, podendo variar as alíquotas do Simples Nacional do período;
  • aposte em ferramentas para realizar uma gestão financeira eficiente.

Afinal, calcular o fator R proporciona vantagens para as empresas?

A resposta é sim! O fator R é capaz de fazer com que os gastos da folha de pagamento sejam compensados pela receita, isso quer dizer que ele promove o abatimento e a diminuição dos impostos, sendo uma ótima vantagem.

Ademais, uma contador experiente sabe exatamente quanto entra de receita bruta e quanto desse valor equivale à porcentagem utilizada na folha de pagamento, tornando-se imprescindível ter esse profissional por perto.

Ao escolher essas mudanças para a sua empresa, o controle financeiro começa a gerar resultados mais significativos, tendo em vista que as saídas relacionadas aos impostos serão reduzidas. Ou seja, sobrará dinheiro em caixa para utilizações futuras.

A boa notícia é que aqui, na Consultoria RR, queremos descomplicar a contabilidade para você. Por isso, cuidamos das burocracias, fazendo com que seu tempo seja dedicado ao crescimento da sua empresa.

Quer saber como? Agende uma conversa com um de nossos especialistas para conhecer nossos planos!

Fonte: Consultoria RR

Posts Relacionados

Deixe um comentário