Sobrecarga no trabalho: um risco para a saúde mental

Sobrecarga no trabalho

A pressão por desempenho e o medo da competitividade têm levado muitos profissionais a vivenciarem uma sobrecarga no trabalho, ultrapassando a carga horária regular.Pesquisa revela que 42% dos brasileiros estão trabalhando ao menos 40 horas há mais por mês

Para especialista Patricia Y. Agopian, o excesso de trabalho não funciona como uma ponte para o crescimento profissional, mas sim para um burnout.

A escassez de emprego e a alta competitividade tem levado muitos profissionais do mercado corporativo a exceder a carga horária da sua jornada de tralho, seja para mostrar desempenho e garantir a sua vaga ou para mirar em uma promoção.

Não à toa, uma pesquisa recente realizada pela Oracle e Workplace Intelligence, feita com 12 mil funcionários de 11 países, identificou que um dos problemas relatados foi a dificuldade de separar a carga horária de trabalho com o tempo livre.

Entre os brasileiros, 42% disseram que estão trabalhando ao menos 40 horas a mais por mês – percentual acima da média global (35%). Para a especialista em carreira, Patrícia Y. Agopian, trabalhar muitas horas, não é sinônimo de sucesso profissional, além de desencadear distúrbios emocionais como a Síndrome do Esgotamento Profissional, mais conhecida como burnout.

“Os gestores precisam ter responsabilidade moral e emocional sobre a sua equipe, porque dependendo do nível que aquele profissional for pressionado, isso acarretará o desenvolvimento de alguma doença ocupacional como o burnout. 

Estipular metas e garantir resultados faz parte da vida corporativa de qualquer profissional, mas a maneira com que essas cobranças são feitas é que faz a diferença.

Não adianta o líder de equipe traçar objetivos inalcançáveis e depois fazer o seu time trabalhar dobrado, levando-os ao esgotamento, ou cobrar excessivamente ao ponto disso se tornar uma ameaça que prejudique a sua estadia na empresa”, explica a CEO da Bússola Executiva, escola on-line de aceleração de carreira que já educou mais de 3 mil brasileiros.

O que é a sobrecarga no trabalho?

A sobrecarga no trabalho refere-se a uma situação na qual um trabalhador enfrenta uma carga excessiva de tarefas, responsabilidades e demandas em seu ambiente de trabalho.

É caracterizada por uma carga de trabalho desproporcional e insustentável em relação à capacidade e recursos disponíveis do indivíduo. A sobrecarga pode afetar tanto a quantidade quanto a qualidade do trabalho realizado, levando a consequências negativas para a saúde física e mental do trabalhador.

Causas e fatores contribuintes:

Várias causas e fatores podem contribuir para a sobrecarga no trabalho, incluindo:

  1. Demanda excessiva de tarefas: Quando um trabalhador é responsável por um grande volume de tarefas que excede sua capacidade de realização em um período adequado.
  2. Prazos apertados: Expectativas irreais de conclusão de tarefas em um curto período podem levar a uma sobrecarga de trabalho.
  3. Ambiente de trabalho competitivo: Culturas organizacionais que enfatizam a competitividade e a busca incessante por metas podem levar a uma sobrecarga de trabalho para atingir esses objetivos.
  4. Falta de recursos adequados: Quando os trabalhadores não têm os recursos necessários, como pessoal suficiente, tecnologia adequada ou treinamento adequado, a sobrecarga no trabalho pode ocorrer.
  5. Falta de controle sobre o trabalho: A falta de autonomia e controle sobre o próprio trabalho pode levar a uma sensação de sobrecarga, especialmente quando as demandas são altas e as decisões estão fora do controle do trabalhador.
  6. Expectativas irreais: Pressões para atender a expectativas irreais de desempenho podem levar a uma sobrecarga no trabalho, pois o trabalhador tenta corresponder a essas expectativas.

É importante identificar e abordar as causas e fatores contribuintes da sobrecarga no trabalho a fim de promover um ambiente de trabalho saudável e sustentável para os trabalhadores.

Os riscos do excesso de trabalho

O impacto negativo do excesso de trabalho na saúde mental e emocional dos profissionais é significativo. O burnout é uma condição que ocorre quando os indivíduos estão sobrecarregados, exaustos e emocionalmente esgotados devido às demandas excessivas do trabalho.

Além disso, essa sobrecarga pode levar a problemas de saúde física, como insônia, problemas cardíacos e comprometimento do sistema imunológico.

Impactos na saúde e bem-estar dos trabalhadores

A sobrecarga no trabalho pode ter diversos impactos negativos na saúde e bem-estar dos trabalhadores. Alguns dos principais impactos incluem:

Esgotamento físico e mental

A sobrecarga contínua e intensa de trabalho pode levar ao esgotamento tanto físico quanto mental. O trabalhador pode experimentar fadiga crônica, exaustão e falta de energia, o que afeta negativamente seu desempenho no trabalho e qualidade de vida em geral.

Aumento do estresse e ansiedade

A sobrecarga no trabalho está frequentemente associada a altos níveis de estresse e ansiedade. A pressão constante e a sensação de não conseguir acompanhar as demandas podem levar a problemas de saúde mental, como transtornos de ansiedade, depressão e síndrome do esgotamento profissional (burnout).

Prejuízos para a vida pessoal e relações interpessoais

A sobrecarga no trabalho pode afetar negativamente a vida pessoal e as relaçes interpessoais dos trabalhadores. A falta de tempo livre e a necessidade de dedicar longas horas ao trabalho podem resultar em negligência das responsabilidades familiares, sociais e pessoais. Isso pode levar a conflitos familiares, isolamento social e diminuição da qualidade de vida.

Além disso, a sobrecarga no trabalho pode contribuir para outros problemas de saúde, como distúrbios do sono, problemas gastrointestinais, dores musculares e dores de cabeça. É fundamental que os trabalhadores tenham um equilíbrio adequado entre trabalho e vida pessoal, bem como apoio e recursos para lidar com a sobrecarga, a fim de preservar sua saúde e bem-estar a longo prazo.

A Responsabilidade dos Gestores

Os gestores têm um papel crucial na promoção de um ambiente de trabalho saudável. Estabelecer metas realistas e garantir um equilíbrio adequado entre trabalho e vida pessoal são essenciais para evitar o esgotamento dos funcionários.

Cobranças excessivas e objetivos inalcançáveis podem levar a altos níveis de estresse e afetar negativamente o bem-estar mental dos profissionais.

como lidar com a sobrecarga no trabalho

Aqui estão algumas estratégias que os líderes podem adotar para lidar com a sobrecarga:

Promova um ambiente de trabalho saudável: Crie uma cultura organizacional que valorize o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Incentive seus funcionários a tirarem tempo para descanso e lazer, e demonstre respeito pelos limites e necessidades individuais.

Distribua tarefas de forma equitativa: Assegure-se de que a carga de trabalho seja distribuída de maneira justa e equilibrada entre os membros da equipe. Considere as habilidades e capacidades de cada indivíduo ao atribuir tarefas e evite sobrecarregar constantemente os mesmos funcionários.

Estabeleça expectativas realistas: Tenha em mente as capacidades e limitações da equipe ao definir prazos e metas. Evite impor expectativas irrealistas que levem a uma pressão excessiva. Promova uma comunicação aberta e transparente para que os funcionários possam expressar preocupações e desafios relacionados à carga de trabalho.

Incentive a delegação e o trabalho em equipe: Encoraje a delegação de tarefas e a colaboração entre os membros da equipe. Isso ajuda a compartilhar a carga de trabalho e promover o desenvolvimento de habilidades entre os funcionários.

Ofereça suporte e recursos: Garanta que sua equipe tenha acesso aos recursos necessários para realizar suas tarefas de forma eficiente. Isso pode incluir treinamento adequado, ferramentas e tecnologia apropriadas, bem como apoio emocional e orientação quando necessário.

Monitore e ajuste a carga de trabalho: Esteja atento aos sinais de sobrecarga em sua equipe. Realize avaliações periódicas da carga de trabalho e faça ajustes quando necessário. Esteja aberto a feedback e sugestões dos funcionários sobre como melhorar a distribuição de tarefas e o gerenciamento do tempo.

Promova o autocuidado: Incentive seus funcionários a cuidarem de si mesmos e a adotarem práticas saudáveis de autocuidado. Isso pode incluir incentivar pausas regulares, oferecer programas de bem-estar e fornecer recursos para lidar com o estresse, como sessões de relaxamento ou aconselhamento.

Lembrando sempre que, como líder, é importante dar o exemplo e praticar essas estratégias em sua própria rotina de trabalho. Ao cuidar do seu próprio bem-estar e gerenciar sua própria carga de trabalho, você estará melhor equipado para apoiar sua equipe na lida com a sobrecarga no trabalho.

Crescimento profissional além das longas jornadas

Ainda segundo a especialista em carreira, trabalhar mais horas por dia não é sinônimo de uma garantia de vaga ou promoção, mas sim uma formação alinhada, um plano de carreira estruturado e uma estratégia para conduzir essa caminhada.

É claro que ter uma boa formação e certas especializações vão ser fundamentais para alcançar seus objetivos profissionais, em especial ao ter claro para onde está indo e o que precisa em cada etapa da carreira, no que diz respeito a conhecimentos técnicos e/ou habilidades comportamentais.

Mas o que vemos hoje em dia são pessoas sem saber onde querem checar e/ou sem um planejamento de carreira executiva. Onde você quer chegar? E o que e como pretender chegar até lá? Responder essas perguntas é importante para não focar apenas em especializações que te deixam na execução eterna.

O melhor executor, não necessariamente vai se tornar um executivo ou o melhor gestor por conta delas. É necessário equilibrar essa balança. A falta de planejamento pode levar a estagnação, baixa produtividade, frustração, vitimismo e procrastinação. Explica Patricia Y. Agopian.

Conforme a paulista que atuou 20 anos como executiva em grandes empresas do mercado, para crescer no meio corporativo, o profissional precisa evoluir suas habilidades.

No começo, ele precisa entender como a execução funciona, ir muito bem na execução e começar a olhar para as entregas de forma mais otimizada. Em seguida, ele começa a pensar na melhor estratégia para conduzir pessoas para alta performance em linha com as metas e lá em cima, seja apenas estratégico com as equipes e negócios.

Para isso, o profissional precisa de um plano. Se desenvolver tecnicamente é mais fácil, mas para chegar a um cargo de liderança executiva a pessoa precisa se desafiar, aprender novas habilidades, novas capacitações. Isso é diferente de trabalhar muitas horas na execução. Quem se afunda na execução não tem tempo de ser estratégico com os negócios e com a carreira.

Conclusão

A sobrecarga no trabalho é um desafio significativo que afeta tanto os indivíduos quanto as organizações. É fundamental reconhecer os impactos negativos desse problema e implementar estratégias eficazes para enfrentá-lo.

As organizações desempenham um papel crucial ao promover um ambiente de trabalho saudável e equilibrado, enquanto os indivíduos devem estabelecer limites, prioridades e buscar apoio. Ao adotar medidas proativas, é possível mitigar os efeitos da sobrecarga no trabalho e promover o bem-estar e a produtividade dos trabalhadores.

Fonte: Portal RH

Posts Relacionados

Deixe um comentário