3 habilidades essenciais para uma entrevista de emprego


3 habilidades essenciais para uma entrevista de emprego

“Para que levantar da minha cadeira se posso chamar meu colega do trabalho pelo WhatsApp?”. Pode parecer estranho para alguns mas tal pensamento é uma característica da Geração Z e Millenials, ou seja, daqueles que já nasceram nativos digitais. Além do app de mensagens, outras ferramentas virtuais foram incorporadas ao ambiente de trabalho atual para facilitar a comunicação em grupo e divisão de tarefas: o Slack e o Asana, são alguns exemplos. Mas até que ponto a comunicação eletrônica ou a falta daquela conversa olho no olho afeta as relações no trabalho ou na busca por um emprego?

Embora essa alfabetização digital seja uma das competências que, atualmente, os empregadores mais buscam nos candidatos, talvez exista a preocupação de que isso se deu à custa de uma importante soft skill: saber se comunicar pessoalmente. Não importa o quanto a tecnologia evolua, a comunicação face a face será sempre fundamental para a aprendizagem dos funcionários, para a produtividade, o bem-estar, a construção de relacionamentos e para a progressão da carreira e dos negócios, aponta a empresa de recrutamento Hays.

Então, como você pode demonstrar em uma entrevista de trabalho que você sabe se comunicar pessoalmente? Jane McNeill, Diretora da Hays Austrália, indica três atitudes importantes para esse momento:

1. Demonstre que você pode construir relacionamentos

Para a direta da Hays Austrália, Jane McNeill, a entrevista de emprego começa antes mesmo do candidato conversar com o entrevistador. Ela afirma que desde a entrada é importante manter contato visual, um sorriso no rosto e demonstrar que você é aberto a conversas — mesmo que essas pessoas não tomem a decisão final do processo, elas geralmente dão um feedback para o entrevistador.

Em seguida, na conversa com o recrutador, construa um relacionamento. Preste atenção de fato no que é dito e demonstre feedback. Nosso corpo também fala, por isso é importante manter uma postura atenta e positiva. “Desviar o olhar ou se mexer muito pode demonstrar que você está desinteressado. Por outro lado, uma linguagem corporal positiva, como inclinar-se para a frente, balançar a cabeça e sorrir enquanto fala, mostra que você está prestando atenção e que está envolvido no processo”, afirma McNeill.

Uma dica bem interessante dada por ela é também fazer perguntas ao entrevistador. Não com a ideia de sabatiná-lo ou querer extrair algo, mas para saber da história daquela pessoa na companhia. “Percebemos que, frequentemente, o entrevistador fica lisonjeado quando um candidato demonstra ter interesse em sua carreira, desde que as perguntas sejam profissionais e positivas. Por exemplo, você pode perguntar ‘quais são seus aspectos favoritos no seu trabalho aqui?’”.

2. Durante a entrevista, responda às perguntas com confiança e clareza

Antes de sua entrevista, respire fundo, visualize resultados positivos e converse com o recrutador. Estes passos podem ajudá-lo a aumentar sua confiança. Pratique também como responder algumas perguntas comuns em entrevistas, de forma bem estruturada, a fim de manter sua resposta concisa e relevante, indica a diretora da Hays.

Neste quesito, a jornalista e coach Aura Regina de Sá — que ministra um workshop especial no Administradores Premium sobre comunicação de alto impacto —, persiste na tecla da autoconfiança: “Conversando com profissionais de alto gabarito em grandes empresas, me deparei com a seguinte fala: ‘às vezes tenho medo de falar em público porque não acho que mereço estar aqui’. Você tem que se lembrar do que fez de bom nas diferentes esferas da sua vida para reforçar sua autoconfiança porque ela faz uma diferença enorme na sua fala”.

Regina de Sá ainda afirma que é importante criar empatia com a sua fala. Além de ser um fator de persuasão, a empatia aproxima o seu contexto e os seus pensamentos do que se passa na cabeça de quem ouve.

3. Seja responsivo em suas comunicações, tanto antes como depois da entrevista

“Por fim, o entrevistador não estará apenas avaliando suas habilidades de comunicação durante a entrevista em si, mas também estará analisando o quanto você é comunicativo e responsivo antes e depois. Por exemplo, eles podem considerar a rapidez com que você responde a e-mails e telefonemas”, diz Jane McNeill. Também é importante ser proativo em contatar o entrevistador, através de seu recrutador, após a entrevista para agradecer por seu tempo e reiterar seu interesse na posição.

Não importa o quanto as comunicações online evoluam, nada pode substituir a interação humana necessária para construir relacionamentos profissionais duradouros, capazes de impulsionar sua carreira. E só porque você é um nativo digital, isso não significa que você não tem as habilidades de comunicação face a face necessárias para prosperar no mundo do trabalho.

Fonte: administradores.com.br


6 comments

Deixe uma resposta