Quer aprender a melhor forma de quitar dividas? Confira 10 dicas!

Você sabe o que é uma dívida? Vamos além, você sabe qual a melhor forma de quitar dívidas? Muitas pessoas acreditam que a dívida vem do atraso de alguma conta ou até da inadimplência, mas não é bem assim. 

Temos que relacionar a dívida a qualquer conta em aberto, independentemente se está atrasada ou não. Ou seja, um financiamento, uma parcela de determinada conta ou a fatura do cartão de crédito.  

Uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) indicou que mais de 66% dos brasileiros estão endividados. Desde de dívidas com o cartão, crediário ou até mesmo com o banco. A inadimplência é de 25,2%. 

A grande questão para muitas famílias é: qual a melhor forma de quitar dívidas? A verdade é que não existe fórmula mágica, mas é possível se planejar para sair do vermelho. 

Para lhe ajudar nesse artigo vamos falar sobre: 

  • Qual a diferença entre uma dívida cara e uma barata?;
  • O que significa trocar uma dívida cara por uma barata?;
  • Devo investir ou pagar minhas dívidas?;
  • 10 dicas para quitar as dívidas; 
  • Xerpay: uma alternativa para quitar as dívidas.

Se interessou pelo assunto? Então, siga em frente neste artigo e boa leitura. 

Qual a diferença entre uma dívida cara e uma barata?

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 26,3% dos brasileiros não têm disciplina na organização das suas finanças pessoais, ignorando ganhos e gastos. 

O problema é que não se planejar-se, financeiramente falando, acaba gerando dívidas. Se elas não forem bem administradas, a consequência é a inadimplência, a negativação do nome, contas sempre no vermelho e um crescimento da dívida, alterando ela de cara para barata. 

Mas como diferenciar?  A grande diferença entre uma dívida barata e cara está na taxa de juros. Quando maior for a taxa maior será a velocidade em que sua dívida vai crescer. 

Por exemplo, a taxa de juros do cheque especial é de 150% ao ano. Se você está R$ 2.000,00 negativo no cheque especial, em um ano, caso ele não seja pago, sua dívida subirá para  R$ 5.000,00. 

Sendo assim, a taxa de juros é que determina e separa uma dívida cara ou barata.

O que significa trocar uma dívida cara por uma barata?

Para responder o grande tema deste artigo, sobre qual a melhor forma de quitar dívidas, é necessário saber como trocar uma dívida cara por uma barata. Mas o que isso significa? 

Podemos exemplificar essa troca citando uma pessoa que pega um empréstimo com taxas menores e tempo maior para pagamento para pagar uma dívida com juros maiores e tempo menor para pagamento. 

Neste sentido, essa pessoa estaria trocando uma dívida cara por uma mais barata. Para fazer isso existem alguns passos importantes, são eles: 

  • Determinar, diante dos seus gastos mensais, um valor máximo para gastar, contraindo dívidas que você consiga de fato manter;
  • Renegociar o valor com o credor, tentando diminuir o preço das parcelas e aumentando o prazo de pagamento;
  • Avaliar as taxas de juros do mercado, das suas contas e o CET (Custo Efetivo Total);
  • Considerar uma portabilidade de crédito, transferindo a dívida para outro banco, com juros menores;
  • Unificar as dívidas em um mesmo banco; 

Ponderar esses pontos com certeza vai ajudá-lo a dar um folga no seu orçamento para definitivamente quitar suas dívidas, trocando as mais caras pelas mais baratas. 

Devo investir ou pagar minhas dívidas?

O primeiro passo, para saber qual a melhor forma de quitar dívidas e se o ideal é pagá-la ou investir o seu dinheiro, é mapear a dívida e fazer a comparação entre a taxa de juros e a taxa de retorno sobre um investimento. 

Usemos de novo o exemplo do cheque especial, que custa 150% ao ano. O investimento mais básico e conservador do país, o Tesouro Selic, hoje rende 2% ao ano (que é o valor da Selic hoje). Vale mais a pena pagar a dívida e, assim, deixar de pagar os 150% de juros no ano, ou investir para ganhar 2%?

Geralmente, o valor da dívida sempre irá superar o valor que você pode ganhar com o que investir. Certamente, se o cenário for esse, vale muito mais a pena quitar a dívida, antes de começar a destinar o dinheiro para um investimento. 

Afinal, se a aplicação rende menos do que a taxa de juros da dívida, não faz sentido investir antes de quitar as contas. 

Fora que se você destinar parte do seu orçamento para um investimento, diminuirá seu orçamento e terá menos dinheiro para quitar as dívidas, podendo transformá-las em uma bola de neve. 

10 dicas para quitar as dívidas

Para saber qual a melhor forma de quitar dívidas selecionamos algumas dicas para você fugir do endividamento e da inadimplência e de uma vez por todas colocar suas contas em dia. 

Tenha uma visão sobre ganhos e gastos 

O primeiro passo antes de saber qual a melhor forma de quitar dívidas, é ter uma visão macro sobre seus gastos e ganhos. Coloque tudo na ponta do lápis e descubra exatamente para onde está indo o seu dinheiro. 

Organize suas contas

Para conseguir descobrir qual a melhor forma de quitar as dívidas é preciso reconhecê-las. Portanto, organize-as em um aplicativo financeiro, numa planilha ou no bom e velho caderninho. Anote quais as dívidas em aberto, parcelas e prazos para pagamento. 

Corte custos

Quer saber qual a melhor forma de quitar dívidas? Então, comece a economizar hoje mesmo. Quem quer quitar as dívidas precisa começar cortando despesas desnecessárias. 

Isso quer dizer cortar aquela alimentação fora de casa, economizar luz, diminuir o tempo de banho, eliminar aqueles canais a mais na TV a cabo, reduzir o plano de celular que você não usa e etc. Pequenos cortes podem virar uma grande economia para ajudá-lo a quitar as dívidas. 

Confira nosso artigo com dicas de economia doméstica para fazer seu orçamento render, clicando aqui

Renegocie os valores

Outro passo importante para quitar as dívidas é renegociá-las com o seu credor.

Busque alternativas que sejam boas para ambas as partes, tente diminuir o valor das parcelas, conforme sua realidade, aumente o tempo de pagamento e se possível abata parte do valor para diminuí-la na renegociação. 

Pague à vista 

É comum que nos pagamentos à vista, em alguns casos, a dívida sofra uma redução. Sendo assim, tente poupar ao longo dos meses e anos, peça um desconto e faça uma proposta à vista ao seu credor para quitar a dívida. 

Pague primeiro as dívidas com juros mais altos 

Parece óbvio, mas muitas pessoas, quando estão endividadas, não sabem mais como administrar as contas ou qual a melhor forma de quitar dívidas. No entanto, quando se questionar sobre qual a melhor forma de quitar dívidas, priorize as com os juros mais altos. 

Isso porque a tendência é que essas se tornem a famosa “bola de neve”, aumentando mensalmente e anualmente e fazendo com que você fique mais endividado. Portanto, anote todas suas dívidas, avalie as que têm juros mais altos e pague elas primeiro. 

Pesquise antes de comprar

É óbvio que mesmo com dívidas você terá gastos essenciais como alimentação e uma grande dica neste sentido é fazer uma pesquisa de preço antes de sair comprando qualquer coisa. 

Avalie os mercados ao seu redor, faça a famosa lista de compras e economize no que for possível. 

Trace metas

Ao definir qual a melhor forma de quitar dívidas para você é fundamental estabelecer metas e objetivos. Isso no sentido de pagamento das contas. 

Defina claramente quando você pensa em quitar cada uma das contas, anotando os prazos e valores ao lado. Assim, você tem uma visão macro sobre a sua situação e pode de forma mais concreta lutar para atingir essas metas criadas. 

Fuja de novas dívidas 

Se você tem dívidas, a prioridade deve ser quitá-las, então, evite fazer novas. Fuja do cartão de crédito e do cheque especial e priorize por um período as compras à vista. Fazer sacrifícios financeiros é essencial para quem deseja quitar o que deve. 

Busque por renda extra 

O que você ganha hoje é suficiente para quitar suas dívidas? Talvez não. 

Se for o caso, coloque a mão na massa e empreenda. Pense no que você faz bem, artesanato, produtos, doces, salgados? Tudo é válido nesse momento para ter uma grana extra, aliviar as contas e futuramente se livrar das suas dívidas. 

Xerpay: uma alternativa para quitar as dívidas

A realidade de muitas famílias, mais de 60%, como vimos anteriormente, é estar endividada de alguma forma. 

A grande questão é que quando a pessoa não sabe qual a melhor maneira de quitar dívidas isso pode gerar o chamado estresse financeiro, que é capaz de afetar a tranquilidade, atenção e produtividade da pessoa. 

O resultado disso são funcionários que atuam o tempo todo pressionados e que rendem bem abaixo de suas capacidades. No entanto, existem alternativas em que a empresa pode dar um suporte aos seus colaboradores para eles não sofrerem com isso, trata-se do Xerpay.

O Xerpay é uma plataforma financeira através da qual os colaboradores podem solicitar parte do salário no momento em que precisarem, conforme os dias trabalhados. 

Duas alternativas do Xerpay podem contribuir para que os colaboradores quitem as dívidas: o adiantamento salarial e o adiantamento do décimo terceiro. Assim, o colaborador pode sacar parte do dinheiro para pagar uma conta e evita atrasá-la, ou até quitar uma dívida. 

O adiantamento salarial, através do Xerpay, acontece mediante uma tarifa de 2 a 9 reais. E, do décimo terceiro, de 1,75% ao mês. Em uma comparação básica, o Xerpay tem uma tarifa de adiantamento muito menor do que os juros do cheque especial ou o cartão de crédito, podendo ser uma ótima alternativa ao endividamento. Saiba mais sobre o Xerpay, clicando aqui, e ajude seus colaboradores.

Reflita sobre sua situação

De nada adianta seguir todas essas dicas se você não faz uma autorreflexão sobre sua situação e reconhece suas dívidas. Aliás, esse é o passo inicial para descobrir qual a melhor forma de quitar dívidas. 

Quando você sabe exatamente quanto ganha, gasta e deve, fica mais fácil traçar estratégias que sejam proporcionais a sua realidade. Como dissemos no artigo, o importante é não desanimar e tomar uma atitude, cortando custos e mudando hábitos. 

O pior caminho para quem tem dívidas é ignorá-las e ir seguindo em frente, pois é assim que a pessoa acaba se endividando, com as chamadas “dívidas impagáveis”. 

A verdade é que dívida impagável, concretamente, não existe e o segredo é negociá-las com o seu credor, tentando encontrar a melhor forma de quitar dívidas. 

Pode demorar, mas pior que isso é não pagá-las e comprometer suas oportunidades eternamente, fazendo com que você fique o tempo todo no vermelho. 

Fonte:Xerpa

Posts Relacionados