Saques do FGTS saiba como usá-lo a seu favor

Os saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), medida anunciada pelo governo em julho, começam a ser liberados no dia 13 de setembro e seguem até 31 de março de 2020. Trabalhadores com contas ativas ou inativas poderão sacar até R$ 500 de cada conta ligada ao seu Número de Identificação Social (NIS/PIS). No entanto, antes de realizar este saque, é preciso ter certa cautela com a maneira com que o valor será utilizado.

Segundo dados do Serasa Experian, dos mais de 63 milhões de brasileiros inadimplentes atualmente, 36,1%, o equivalente a 23 milhões de pessoas, possuem dívidas em atraso de até R$ 500. Para o governo federal, boa parte do destino do valor sacado pelo trabalhador irá para quitar estas dívidas. Entretanto, segundo a especialista em desenvolvimento humano Rebeca Toyama, apesar desta parcela, há ainda aqueles que, ao sacar o valor disponível, gastarão com itens não prioritários no momento.

“Com um bom planejamento muita gente poderá sair do endividamento, dependendo do valor do débito, mas isso é um ponto de atenção, pois para muitos esse era o único valor que estava reservado para o futuro. Num primeiro momento isso pode até parecer saudável, mas a longo prazo, nem tanto”, explica.

Na hora de quitar as dívidas, caso o débito seja um pouco maior do que o valor sacado, a especialista recomenda que o trabalhador tente fazer uma negociação. “Muitas instituições financeiras concedem bons descontos quando o inadimplente deseja sair desta situação e tem um valor para dar de entrada. O importante neste momento é resistir à tentação de comprar supérfluos e gastar por impulso”, recomenda.

Controle emocional é a chave

Segundo levantamento recente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o percentual de famílias endividadas cresceu pelo sétimo mês seguido em julho, alcançando o patamar de 64%. Boa parte desta inadimplência acontece, segundo Rebeca, porque as pessoas fazem dívidas com dinheiro que ainda não têm em mãos – utilizando cartão de crédito e cheque especial, por exemplo.

Caso não haja um bom planejamento, o brasileiro acaba gastando mais do que ganha e, com isso, se coloca cada vez mais em dívidas. “As pessoas costumam gastar três vezes mais do que ganharão, antes mesmo de ter o dinheiro em mãos”, comentou Rebeca. Com os saques do FGTS, a especialista teme que isso possa vir a ocorrer, uma vez que já no início deste mês o governo liberou o calendário de saques. “Diante disso, todos os que possuem um valor para retirar, já sabem quando conseguirão fazê-lo”, disse.

Para que o trabalhador organize melhor suas finanças pessoais, a especialista aponta cinco pontos de atenção para não se endividar ainda mais com o valor a ser sacado.

  1. Cuidado com a contabilidade mental. Conta de cabeça para fazer gestão de dívidas não funciona. Anote, use planilhas, aplicativos para evitar gastar o mesmo dinheiro mais de uma vez;
  2. Cuidado com o viés da confiança. As fontes de renda não costumam ser eternas, portanto, uma reserva para emergência é importantíssima, principalmente em tempos de instabilidade socioeconômica;
  3. Cuidado com o viés atencional. Sua vida vai muito além do momento presente. Se você quer um futuro financeiro tranquilo, comece a poupar desde já ao invés de esperar por um “milagre previdenciário”;
  4. Cuidado com o viés da confirmação. Não é porque você acha que todo mundo está endividado que isso passa a ser normal. Lembre-se de que existem pessoas que pensam no futuro e possuem disciplina financeira;
  5. Cuidado com o viés do otimismo. A vida não é um cassino. Não dá para ficar esperando milagres macro ou microeconômicos, pois sua colheita futura será um resultado de seu plantio no presente. Como diz o ditado: “quem planta vento colhe tempestade”.

Fonte: administradores.com.br

Posts Relacionados

Leave a Comment